Artigos

Mas quanta festa

Artigo- Mas quanta festa

 

 

“nunca me deste um cabrito para festejar com meus amigos.”(Lc 15, 29).

 

Dentre tantas frases, essa fala do filho mais velho na parábola do filho pródigo enquanto o pai fazia uma festa,nos leva a questionar: o que é que esse rapaz queria festejar?

 

O irmão mais novo tinha pedido os seus bens ao pai e saiu de casa, consequentemente deixando um grande vazio no coração do pai e também mais trabalho para o irmão. Ao ter o filho de volta aos seus braços a alegria do coração do pai só poderia ser externada por meio de uma grande festa. Sim, esse é o motivo da festa que o pai fez, a alegria de reencontrar o filho que estava “morto”. Mas o primogênito não queria um cabrito para festejar a volta do seu irmão, mas queria um cabrito para festejar com seus amigos a…….o…….NADA!

 

Isso nos convida a analisar o impressionante número de festas que acontecem todos os finais de semana, em alguns lugares todos os dias.E não é preciso nos esforçar muito para encontrar uma. Nas ruas cartazes e outdoors, nas mídias propagandas, e ainda mais nas redes sociais. Se deparando com essa quantidade de “convites” não podemos deixar de indagar: por que tanta festa?

 

É razoável pensar que quem festeja, festeja algo. Olhemos na bíblia, encontramos várias festas:Abraão deu uma grande festa quando Isaque foi desmamado (Gn 21, 8). O próprio Deus instituiu comemorações, festa dos Ázimos, festa da Messe, a festa da Colheita, a festa das Tendas, entre outras (cf. Ex 23, 14+; Lv 23). O próprio Jesus nos evangelhos foi a festas: a um casamento e a festa das Tendas. Mas todas essas têm um motivo, uma razão para se festejar.

 

Acontece que nos dias de hoje se perdeu o sentido das festas. Elas tornaram-se um fim para se divertir e não para se comemorar. É estranho ver uma pessoa que vai para grandes festas, com grandes bandas, regado a tudo o que se pode imaginar, mas quando chega o dia do seu aniversário, quando se comemora o dom de sua vida, sente uma grande tristeza, se isola em seu quarto e não quer falar com ninguém. Fora pessoas que fazem festas pelo aniversário de um cachorro, contudo no aniversário de um irmão ou algum familiar, o máximo que faz é dar um telefonema.

 

O motivo para uma festa é uma comemoração, mas para as festas desse mundo é a perdição. Por isso com nosso testemunho façamos festas, muitas festas, mas todas com um motivo. De modo particular para a glória de Deus.

Diego Carvalho

Consagrado de Vida – Comunidade Remidos no Senhor

SOBRE

Fundada há 25 anos, a Comunidade Remidos no Senhor é Canonicamente Reconhecida como uma Associação Privada de Fiéis de Direito Diocesano.

CONTATOS

Fixo: 83 3322-5403

Fixo: 83 9 9846-1116

FALE CONOSCO